fbpx

Se é daquelas pessoas que constantemente sabotam o seu próprio sucesso, então este artigo é para si!

Os nossos pensamentos não afetam apenas o nosso estado emocional, eles também influenciam o nosso comportamento. Quando pensamos positivamente sentimo-nos melhor e conseguimos ter um melhor desempenho. Quando pensamos negativamente, esse vai refletir-se na forma como nos sentimos e comportamos.

Num ou noutro momento das nossas vidas, todos nós podemos ter pensamentos inúteis, irreais e exageradamente negativos. Contudo, permitir que o cinismo se torne um hábito vai limitar o nosso potencial. Não importa quanto talento ou experiência a pessoa possua, se não souber gerir as suas emoções dificilmente alcançará grandes feitos, pois só conseguirá alcançar o próximo nível na escadaria do sucesso se acreditar ser capaz de realizar mais.

Aprender a pensar produtivamente é fundamental para todas as pessoas, independentemente da profissão que exerçam. Aprender a reconhecer os hábitos de pensamento que “roubam” a força mental é o primeiro passo para mudar a sua mentalidade. Do livro “13Things Mentally Strong People Don’t Do”, da psicoterapeuta Amy Morin, selecionei para partilhar convosco seis maus hábitos que contribuem para sabotar o sucesso e, que encontro em muitas pessoas com quem me cruzo pessoal e profissionalmente. E mais importante, para cada um deles partilho estratégias práticas, simples e poderosas de como vencê-los.

  1. Arranjar desculpas

Culpar outras pessoas ou circunstâncias externas pela sua falta de concretizações prejudica o seu desempenho. Dizer coisas como: “O meu chefe impede-me de progredir” ou “Toda esta papelada torna impossível fazer o meu trabalho” só vai mantê-lo/a bloqueado/a.

Pare de arranjar desculpas: Foque-se em todas as coisas que pode fazer ao invés de se focar naquilo que não pode. Quando presta atenção ao que é positivo, vai empenhar-se mais no seu desempenho.

  1. Catastrofizar o futuro

Facilmente as previsões negativas se transformam em profecias autorrealizáveis. Se chegar ao palco para fazer um discurso importante a pensar: “Vou estragar tudo”, vai desfocar-se do seu objetivo e essa distração pode fazer com que, por exemplo, esqueça as palavras e se baralhe.

Pare com a catastrofização: A menos que o seu trabalho seja gerar planos para lidar com situações do tipo “o pior cenário”, não explore os “E se?”. Prever resultados desastrosos provoca um aumento da ansiedade que pode atingir níveis bloqueadores da ação.

  1. Procurar aprovação

Na generalidade das situações as tentativas de obter a aprovação de outras pessoas têm o efeito oposto. Por exemplo, tentar decifrar como um entrevistador está a avaliar as suas respostas pode fazer com que se atrapalhe com as palavras. Pior, focar-se na possível resposta da outra pessoa pode fazer com que se desligue completamente da conversa.

Pare de tentar obter aprovação: Embora às vezes possa ser importante avaliar a reação do seu interlocutor, por exemplo no meio de um discurso de vendas, cada segundo que despende na procura por aprovação é um segundo em que não está focado/a na tarefa em questão. Mantenha o foco em fazer o seu melhor e reconheça que não pode controlar como as outras pessoas reagem.

  1. Acreditar nas autodúvidas

A insegurança pode matar os seus sonhos. Se numa entrevista estiver a pensar: “Nunca serei contratado/a”, a autodúvida surge e será menos provável que consiga o emprego. A rejeição alimenta a autodúvida e gera um ciclo negativo difícil de quebrar.

Pare com as autodúvidas: Crie uma lista das suas competências, talentos e realizações. Leia a lista regularmente e, quando estiver atormentado/a com autodúvidas, lembre-se de todos os motivos pelos quais é “suficiente bom /boa”.

  1. Deitar-se abaixo

É impossível ter um bom desempenho quando diz a si mesmo “Eu sou estúpido” ou “Eu nunca consigo fazer nada bem”. Esta conversa interna negativa vai desencorajá-lo/a de dar o seu melhor e rapidamente deitá-lo/a abaixo.

Pare com o deitar abaixo: Estabeleça um diálogo interno positivo, como se falasse com um amigo de confiança. Se não usaria palavras tão duras com outra pessoa, não permita que o seu crítico interior lhas diga.

  1. Escrutinação

Embora refletir sobre escolhas anteriores possa ser saudável, escrutinar cada escolha que fez só prejudicará o seu desempenho. Questionar-se, constantemente, sobre as suas palavras, ou a escolha do que vestiu num evento importante, desperdiça muito poder cerebral.

Pare com a escrutinação: Pratique meditação para que aprenda a focar-se e estar totalmente presente no aqui e agora.